Páginas

quarta-feira, 27 de junho de 2012

DESESPERO HERMÉTICO...



                                          Experimentar o esvaziamento da existência temporal 
                                          é ser colocado numa situação de contradição, 
                                          de desespero, seja qual for o modo pelo qual é concebida.

                                          O instante que lhe dá consciência 
                                          é o mesmo que se transforma em passado 
                                          e este, por sua vez, é o mesmo que denuncia a escatologicidade de um devir...
                                          Utopia... pobre projeção do desespero... 
                                          Não atoa lhe atribuem adjetivos como "idealismo", entre outros...
                                          É nesse momento que se experimenta o não-ser
                                          um sentimento nillista
                                          uma coisa nem outra... 
                                          um limbos...

                                         Com essa tragicidade, 
                                         resta apenas a consciência de uma temporalidade, 
                                         que como a areia, escapa-nos pelos dedos...
                                         Que desespero pode ser maior do que esta consciência?
                                         Ele, o desespero, 
                                         sempre encontra um modo de expressar-se... 
                                         mesmo por um texto hermético.

                                         Enfim, são solilóquios e inquietações...


Por Apókriphos